Saúde mental x emoções: Comparação com ou sem moderação?

Comparação x Referência: a mudança de pensamento necessária para crescer 

Novidade no ar! Falar sobre saúde mental e como podemos deixar a nossa mente cada vez mais forte, saudável e saber lidar com os nossos sentimentos, conhecer os nossos limites, é fundamental. Por isso, a Privacy vai disponibilizar para você toda semana, uma matéria com a Psicóloga, Beatriz, em uma coluna especial falando sobre saúde mental e emoções. Preparados? Deem as boas-vindas a Psicolobia!

Oi, gente! Eu sou a Psicolobia, a psicóloga da Privacy, e é um enorme prazer conversar com você. 

Hoje eu te convido a refletir sobre um tema atual e que vem despertando nas pessoas o sentimento de inferioridade, e esse tema é “comparação sem moderação”. 

Antes de tudo, o mais importante é a gente entender o quanto a comparação faz com que a gente perca nossa própria personalidade, e eu te pergunto: “será que vale a pena perder a si próprio para tentar se encontrar no outro?”. 

Pensa comigo, as pessoas constantemente têm o comportamento de avaliar a si mesma e aos outros em quesitos como: atratividade, riqueza, inteligência e sucesso. De acordo com alguns estudos, até 10% de nossos pensamentos envolvem algum tipo de comparação.  

Teoria da comparação social 

A teoria da comparação social, desenvolvida em 1954 pelo psicólogo Leon Festinger, é a ideia de que os indivíduos determinam seu próprio valor social e pessoal com base em como eles se comparam aos outros.  

Pesquisas mostraram que as pessoas que se comparam regularmente com outras podem encontrar motivação para melhorar, mas também podem experimentar sentimentos de profunda insatisfação, culpa ou remorso, e consequentemente se envolver em comportamentos destrutivos.  

Mudando de pensamento 

Pensando no viés de que podemos nos comparar positivamente e negativamente, te pergunto: em qual dessas duas maneiras você vem se percebendo? Nas comparações que geram referenciais ou que deixam sentimentos de incapacidade? 

Faça essa reflexão dentro de você, vai te ajudar muito a olhar para as outras pessoas como referências, e esse modelo sim, traz pensamentos saudáveis e de um bom desenvolvimento psíquico.  

Um exemplo de comparação é: “nossa, aquela pessoa está faturando tanto”, e essa frase poderia facilmente virar “nossa, ela ganha tanto e eu nunca vou chegar lá com esse meu jeito”.  

No entanto, esse pensamento pode ser mudado para usar a outra pessoa como referência, por exemplo: “nossa, como essa pessoa ganha bem, foi mérito dela, o que será que posso fazer para um dia chegar próximo a isso? Como ela pode me inspirar a ter esse desenvolvimento?”. Você consegue perceber a diferença da comparação e da referenciação? 

Pense nisso, mudar pensamentos é mudar comportamentos, e quando mudamos nossos comportamentos sobre nós mesmos, temos a possibilidade de evoluir, criar pensamentos saudáveis e que vão nos levar para frente, não nos rebaixar. Afinal, o que seria do mundo se todos fossemos iguais? 

Com carinho, Beatriz.  

Tags

Últimos Posts